Nesta edição, vamos abordar temas que fazem parte da gestão das empresas e envolvem tecnologia, com ênfase na transformação digital. Se os clientes e os negócios mudam, as empresas também têm que mudar e oferecer um diferencial ao seu público..

Também trazemos a você os dados gerais sobre saúde suplementar divulgados recentemente pela ANS, assim como decisões voltadas para a proteção dos profissionais de saúde.

Além disso, compartilho, em primeira mão, a data de dois novos eventos importantes do nosso segmento.

Boa leitura.

Geraldo Almeida Lima,
Presidente do SINOG


POR ONDE INICIAR A TRANSFORMAÇÃO DIGITAL?


Você já ouviu falar em transformação digital? Possivelmente, pois não é algo novo. Trata-se da integração da tecnologia digital em todas as áreas do negócio. Para saber um pouco mais da importância desse termo, conversamos com João Pissuto, sócio-líder na implementação de projetos em experiência digital, e Leandro Sanches, sócio-líder de Saúde, ambos da EY. Confira os principais pontos que foram abordados por eles e saiba se a organização a qual você faz parte está indo no caminho certo.

Segundo Pissuto, para realizar essa transformação três pontos são fundamentais. O primeiro deles tem a ver com o seu cliente. Ele precisa estar no centro de tudo. Ou seja, viver a experiência digital em conjunto com a sua empresa. Nos últimos anos, o consumidor mudou seus hábitos e a maioria, seja em maior ou menor grau, está adaptada à era digital: compra de passagens áreas, aluguel de imóveis, transações bancárias, conhecer pessoas, tudo em poucos cliques. O segundo aspecto apontado por ele está relacionado aos dados e informações. Como você os utiliza nessa digitalização? Você realmente conhece o seu cliente? O terceiro e último ponto é o tecnológico. O especialista não recomenda começar a transformação por esse eixo, uma vez que a tecnologia deve ser um viabilizador de
todo o processo.

Inúmeros exemplos poderiam ser mencionados para o melhor entendimento da transformação digital no cotidiano das pessoas, mas um deles é bem recente e aconteceu no setor de saúde. Em março, o Governo regulamentou a telemedicina, permitindo que a modalidade pudesse ser usada para atendimento pré-clínico, de suporte assistencial, de consulta, monitoramento e diagnóstico tanto em atendimentos do Sistema Único de Saúde como da rede privada, cujo objetivo é reduzir a propagação da Covid-19.

Embora algumas organizações já tenham um perfil digital, o advento da regulamentação da telemedicina é um grande avanço. “A crise gerada com o advento da Covid-19 forçou o setor de saúde a implantar esse modelo de atendimento por uma questão de sobrevivência. Governo, operadoras e hospitais tiveram que se adaptar, de uma maneira bastante acelerada, em virtude da pandemia porque os pacientes não querem ir para o hospital ou ambientes dessa natureza. Portanto, a forma de se aproximar do paciente foi com a telemedicina para continuar com um atendimento seguro e tudo está acontecendo há dois meses. É um movimento sem volta e que deve ser aprimorado”, afirma Sanches.

Na opinião de João Pissuto, esse aprimoramento deve seguir também em função de um atendimento para uma demanda emergencial do paciente que, atendido rapidamente por vias digitais por um médico ou cirurgião-dentista, permite que o assistido fique mais tranquilo.

E qual é o custo de uma transformação digital em uma organização? "A questão é qual experiência sua empresa pretende fornecer ao cliente para diferenciar-se. Portanto, o custo é muito relativo. Bons projetos pagam-se por si só. Além disso, há soluções no mercado sem custos e startups que podem auxiliar na implantação desse processo de uma maneira muito eficiente" finaliza Pissuto.

Embora as organizações estejam hoje em patamares diferentes para atingir um nível eficaz e eficiente no que diz respeito ao uso de tecnologias digitais, há que se ter em mente que não importa se uma empresa é de pequeno porte ou se é uma grande corporação: a transformação digital deve fazer parte do negócio. Isso implica não apenas numa mudança tecnológica, mas numa mudança cultural que exige que as organizações se desafiem constantemente.

Um caminho sem volta
De acordo com um levantamento realizado, entre março e abril deste ano, pela IT Mídia, empresa de comunicação dirigida aos negócios do setor de Tecnologia da Informação, com CIOs (Chief Information Officer) e líderes de TI das maiores empresas brasileiras do País, a participação da área de tecnologia da informação das organizações foi fundamental para absorverem novas demandas trazidas pela crise da Covid-19. O cenário impôs a aceleração da transformação digital até mesmo para empresas tradicionalmente offlines. A pesquisa detectou que:

Analytics (51,2%) e robotização de processos (50,4%) foram citados por mais da metade dos CIOs consultados como tecnologias que ganharam relevância no período da pandemia do novo coronavírus. Em seguida, aparece também a digitalização do portfólio de produtos (49,6%). Dados como estes fazem todo sentido, pois reforçam que entender melhor os clientes e ganhar eficiência são essenciais no momento de crise.


Em março de 2020, os planos odontológicos chegaram à marca de quase 26 milhões de beneficiários, um aumento de 6,30% quando comparado a março de 2019. Já, as operadoras de Odontologia e Medicina de Grupo, que representam 77,3% de todo o mercado, apresentaram crescimento de 13,15% no mesmo período. Os dados fazem parte da atualização trimestral divulgada pela ANS no mês passado.

Alguns destaques:

-  O Amazonas foi o estado da região Norte que mais cresceu percentualmente em adesão a planos odontológicos no primeiro trimestre de 2020, chegando a 2,41% de incremento, enquanto que, para o Brasil inteiro, o crescimento foi de apenas 0,53%.

-  A Bahia continua com a maior cobertura no Nordeste, de 30,23% e 1,5 milhão de beneficiários. Entretanto, foi Pernambuco que apresentou, em números absolutos, a maior contratação de usuários de planos odontológicos, com cerca de 70 mil, no período de março de 2019 a março de 2020, totalizando 1 milhão de pessoas com cobertura odontológica. O Ceará, que ocupa a terceira colocação, fechou o período analisado com 997 mil beneficiários.

-  Nos três primeiros meses deste ano, Minas Gerais cresceu mais do que todos os outros estados do Sudeste, alcançando um aumento de 1,13%. Por sua vez, Rio de Janeiro teve queda de 1,28% no número de beneficiários.

-  As regiões Sul e Centro-Oeste continuam sendo alavancadas por Paraná (1,3 milhão) e Goiás
(654 mil), respectivamente.

VOCÊ JÁ SEGUE O SINOG NAS REDES SOCIAIS?

Em 12 de maio, a Anvisa publicou no Diário Oficial da União a ineficácia do modelo de máscara N95, PF2 ou equivalentes que apresentaram falhas na filtragem de partículas, sendo ineficazes para proteção contra o novo coronavírus. Clique aqui para ver os modelos e fabricantes.

Além disso, em 8 de maio, a Anvisa publicou orientação sobre reuso de EPIs originalmente de uso único. Segundo o documento, não há, até o momento, evidências científicas consistentes que assegurem a eficácia e a segurança do reuso pelos profissionais de saúde de EPIs enquadrados como "proibido reprocessar" ou "o fabricante recomenda o uso único". Se a empresa processadora ou o serviço de saúde optar pelo reprocessamento de EPIs passíveis desse procedimento, deverá ser elaborado, validado e implantado um protocolo, conforme
estabelecido pela legislação vigente, com instruções de
uso e as especificações dos produtos estabelecidos
pelos fabricantes.

NOVA DIRETORIA NO SINOG

No próximo dia 25 de junho, o SINOG realiza assembleia geral para eleger sua nova diretoria que assumirá em setembro deste ano. Saiba mais detalhes no edital clicando aqui.


CURSOS ON-LINE GRATUITOS AINDA EM ALTA

Cruzeiro do Sul Virtual está disponibilizando 50 cursos on-line gratuitos, que foram desenvolvidos por professores da instituição de ensino, voltados para diversas áreas de atuação e ideias para aprender novas habilidades e atualizar o currículo. Todos eles contam com vídeoaulas e material de apoio. A gratuidade será mantida até 30 de junho. Para se inscrever e saber mais detalhes dessa iniciativa, basta acessar a plataforma www.maisconteudoparavoce.com.br.

Entre as opções estão:

Design Thinking – metodologia de solução de problemas complexos centrada no humano, muito utilizada para processos de inovação em produtos ou serviços e baseada em três principais pilares: empatia, colaboração e experimentação. O processo é utilizado por empresas e escolas como Santander, Itaú-Unibanco, MIT, entre outros. Carga horária: 30 horas.
Clique aqui

Gestão Avançada de Marketing – o curso pretende capacitá-lo (a) para uma atuação organizacional eficaz, por meio de conceitos estratégicos de marketing. Assim, você estudará o conceito e classificação de produtos,
Ciclo de Vida do Produto (CVP), marcas e compostos de produtos x linhas de produtos. Verá também o conceito de serviços, os elementos que fazem parte do mix de marketing de serviços (8P’s), as principais características, classificações e desafios dos serviços, bem como questões relacionadas à ética e legalidade da área.
Carga horária 80 horas.
Clique aqui

A Fundação Escola do Comércio Álvares Penteado (FECAP), uma das instituições referência na área de negócios, também tem está disponibilizando cursos on-line sem custo nenhum para os interessados. As inscrições podem ser feitas pelo site www.fecap.br/curta-duracao/.
Os cursos duram de 3 a 8 horas.
Entre as opções estão:

Inteligência Emocional na Formação dos Líderes -
o objetivo é ensinar o que significa ser emocionalmente inteligente, relacionar a inteligência emocional com diferentes tipos de liderança, identificar os comportamentos de líderes de sucesso, dentre outros. Carga horária: 4h.
Clique aqui

Resolução de Problemas e Tomadas de Decisões - desenvolva o conhecimento em estratégia e métodos aplicados a resolução de problemas e ao processo decisório. Carga horária: 4h.
Clique aqui


SIMPÓSIO DE PLANOS ODONTOLÓGICOS JÁ TEM DATA MARCADA

O SIMPLO, evento que já faz parte da agenda das operadoras de planos odontológicos do País, vai acontecer
nos dias 6 e 7 de maio de 2021 no Centro Fecomércio de Eventos em São Paulo.