Odontologia

Postado em:28/07/2017

Fonte: Odontologia de Grupo em Revista Nº 24 – Camila Pupo

Image Description

Vida restaurada

A higienização das próteses requer os mesmos cuidados básicos para uma boa saúde bucal

Para uma saúde bucal satisfatória, no decorrer da vida é preciso passar por alguns procedimentos dentais que podem ir de uma simples restauração até a substituição de um dente. As diferenças entre os tipos de tratamentos bucais são diversas e cada um tem a sua indicação determinada. Entre os mais comuns, está a obturação ou restauração, indicada para dentes cariados, quebrados ou trincados, que serve para melhorar a estética do sorriso e, o mais importante, devolver a função do dente avariado.

“O dentista remove a parte deteriorada, limpa a área atingida e preenche a cavidade com um material restaurador. O processo devolve aos dentes afetados suas formas e funções originais e elimina os espaços que podem acumular bactérias”, explica Marcelo de Souza Junqueira, mestre e doutor em farmacologia, anestesiologia e terapêutica pela Unicamp – Universidade Estadual de Campinas e especialista em dor orofacial.

Opção correta

As vantagens e desvantagens desse procedimento estão na relação do material utilizado, segundo Junqueira, a resina composta é mais estética, já a amálgama é mais durável. Cabe ao dentista avaliar qual a melhor opção para o paciente.

Muitas vezes a restauração não é a solução quando parte do dente ou até ele todo já está perdido, nesses casos outros métodos são necessários. “Próteses são aparelhos que repõem tecidos bucais e dentes perdidos, visando restaurar e manter a forma, função, estética, fonética, mastigação e saúde bucal do paciente. Elas são feitas sob medida em parceria com o dentista e o técnico em prótese dental”, esclarece Karen Tereza Altieri, mestre em reabilitação oral com ênfase em prótese.

Existem diversos tipos de próteses, sendo elas parciais, totais, removíveis ou fixas. Altieri explica que, quando existem apenas alguns dentes ausentes, utiliza-se a chamada prótese parcial removível conhecida popularmente como ponte e perereca. Toda prótese deve ser feita com muita cautela, pois a oclusão inadequada pode dificultar a mastigação e até a fala, causando danos na articulação temporomadibular (ATM) e até crises de enxaqueca.

“A ponte é a reposição dos dentes que estão ausentes. Ela tem um custo menor, porém, em contraposição, a desvantagem estética é razoável, por conter grampos metálicos”, explica Andréia Ferreira de Vasconcelos, cirurgiã-dentista, ortodontista e especialista em clareamento. Já a perereca ou prótese dentária removível provisória deve ser usada temporariamente, até que a definitiva fique pronta – também tem baixo custo e não proporciona uma fixação tão boa quanto a ponte.

Altieri ressalta ainda que, na ausência de todos os dentes, utiliza-se a prótese total ou dentadura, com indicação de troca a cada quatro anos.

As próteses fixas, conhecidas como coroa dentária e/ou jaqueta, têm como função substituir a coroa de um ou mais dentes naturais. Vasconcelos explica que a jaqueta é utilizada para prótese fixa unitária e cobre totalmente o dente. O procedimento é indicado quando há desgaste ou quebra, além de ser ideal em casos com pouca resistência do esmalte, ausência dental, estética favorável ou ainda após tratamento de canal com grande perda da estrutura dentária. A coroa pode ser feita de resina, que apresenta menor durabilidade, pois pigmenta facilmente e possui menor resistência à fratura, ou em porcelana, que tem mais estabilidade de cor e mais resistência.

Consideradas atualmente o mais moderno tratamento em reabilitação oral e que melhor substitui os dentes ausentes, estão as próteses fixas sobre implantes, conhecidas como implantossuportadas. Seu planejamento requer atenção e cuidados na etapa cirúrgica e protética a fim de determinar o número de implantes, assim como a concepção dos elementos protéticos e a oclusão.

O implante pode ser feito em pacientes parcialmente desdentados (próteses unitárias e múltiplas) ou totalmente (prótese tipo protocolo). “As próteses múltiplas devem ser planejadas de acordo com a quantidade de osso e número de dentes ausentes, para localização e quantidade de implantes. No tipo protocolo, o local também é planejado de acordo com a quantidade óssea, entretanto, o número de implantes é de seis a oito na arcada superior e quatro a seis na inferior”, diz Altieri.

Limpeza

A higienização das próteses sejam elas parciais, totais, removíveis ou fixas, requerem os mesmos cuidados básicos para uma boa saúde bucal, ou seja, usar uma escova de dente adequada e fazer uso de fio dental; além disso, no caso das próteses removíveis, é necessário se atentar à higiene no manuseio delas.

Voltar



Fale Conosco




Rua 13 de Maio, 1540 - Bela Vista - 01327-002 - São Paulo
sinog.secretaria@sinog.com.br
+55 11 3289-7299